1. Gestão Urbana
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. GeoSampa: veja áreas e...
 

30/11/2017

GeoSampa: veja áreas e espécies de árvores protegidas do município

Os dados, disponíveis para consulta e download, podem ser combinados com outras camadas da plataforma



A plataforma GeoSampa, mapa digital da cidade em formato aberto, mantido pela Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento – SMUL, permite agora a consulta de áreas e espécies de árvores protegidas.

O conteúdo arbóreo do mapa é idêntico ao exibido no documento “Vegetação Significativa do Município de São Paulo” – parte integrante do Decreto nº 30.433 do Governo do Estado -, mas com a vantagem de possibilitar a visualização georreferenciada.

Essas informações são bastante utilizadas, sobretudo pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente (SVMA) como base legal, a fim de identificar e analisar o manejo de vegetação no município. Com a disponibilização desses dados na plataforma, esse trabalho se torna mais fácil.

A adição desse novo mapa na plataforma permitirá ao cidadão identificar áreas, bairros e árvores isoladas que são protegidas por lei e fazem parte do patrimônio ambiental da cidade, portanto, regidas por legislação específica que deverá ser consultada previamente na elaboração de um projeto.

Para acessar as informações, basta abrir o GeoSampa e selecionar o Mapa Base “Publicação 1988 – Vegetação”. É possível combinar esse item com as demais camadas da plataforma, a fim de que os elementos fiquem sobrepostos no mapa, dando a dimensão real dos atribuídos a serem respeitados em cada região.

Os arquivos também estão disponíveis para download em formato JPEG. Para baixá-los, clique em “Salvar mapa como imagem”, localizado no menu à esquerda e simbolizado pela figura de um disquete.

O significado de cada sigla pode ser consultado nos metadados, camada tutorial do GeoSampa que orienta o usuário . Essa opção está situada no canto direito superior do site.

Contexto histórico 
Em 1989 o Governo do Estado publicou o Decreto nº 30.433 de 20/09/89 que considerou algumas árvores da capital paulistana como patrimônio ambiental e imune ao corte.

Parte integrante deste decreto descrevia em uma planta, ainda formato de papel, com os tipos de vegetação, seu valor botânico e paisagístico e também o seu papel para a preservação e manutenção das condições ambientais locais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *