1. Gestão Urbana
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Participe das audiências públicas...
 

30/12/2014

Participe das audiências públicas da revisão participativa da Lei de Zoneamento

Encontros serão realizados nos dias 14 e 21 de janeiro, às 19h, no auditório da Uninove Vergueiro



Fique por dentro do processo participativo de revisão da LPUOS

A Prefeitura de São Paulo, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, convida a população para participar de duas audiências públicas que vão dar continuidade no processo de revisão participativa da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (LPUOS).

Nos encontros, que serão realizados nos dias 14 e 21 de janeiro, das 19 às 22h, a população terá a oportunidade de conhecer e debater a Minuta do Projeto de Lei do Zoneamento, que está disponível para consulta em formato aberto aqui.

Após a discussão nas audiências, o Projeto de Lei do novo Zoneamento será redigido e encaminhado à Câmara Municipal.

Até o momento, o processo participativo de revisão da lei vigente realizado pelo executivo já recebeu mais de 5 mil propostas, provenientes tanto das oficinas presenciais nas subprefeituras como do formulário online.

Além dessas contribuições, também subsidiaram os trabalhos de revisão o Atelier Ensaios Urbanos, o Conselho Municipal de Política Urbana (CMPU), a Câmara Técnica de Legislação Urbanística (CTLU) e o aplicativo Olhares Urbanos.

Participe das audiências públicas e contribua você também para o planejamento urbano da cidade.

 

Audiências públicas da revisão participativa do Zoneamento

Data: 14 e 21 de janeiro de 2015

Horário: das 19h às 22h

Local: Auditório da Uninove Vergueiro

Endereço: Rua Vergueiro, nº 235/249, Liberdade, São Paulo.

 

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Comentários

  1. Celso Akira Nakama em disse:

    Para Sub-Prefeitura do Jaçana,descordo do zoneamento da Rua Do Horto , em frente ao portão de entrada principal de um dos pontos turístico de São Paulo constar como ZER-1 exclusivamente residencial , como a região pode ter uma infra-estrutura de acordo com o minimo que o turista merece,lugar para se alimentar,abrigar,se higienizar,estacionar,fazer compras de lembranças regionais,se medicar,ter o atendimento igual ou melhor que qualquer outra região turística possa oferecer.Proponho zona-mista,para equilíbrio e harmonia nestas regiões.

    • Roberto Ribeiro Lobo em disse:

      sou morador da vila amélia e tambem não concordamos com nosso tipo de zoneamento zep que não condiz com a realidade do bairro, quanto a Rua do Horto também concordo com o sr. Celso Akira , deveria ser uma ZPR zona predominantemente Residencial.

  2. Milton Lenzi em disse:

    A participação da comunidade nesse processo é de fundamental importância.
    Esta de parabéns a prefeitura de São Paulo convidando a todos a participar do processo como um todo.
    att

    Milton Lenzi

  3. RUA GUAIARUVA 953, ESQUINA DA RUA GUARARAPES 1006…CASA DE 200 MTS 2…TERRENO DE 10 X 30 MTS

    SEM CONDIÇOES DE FAZER QUALQUER TIPO DE COMERCIO….POIS PARA MORADIA, NAO EH ACEITAVEL….CORREDOR NAS DUAS RUAS GUAIARUVA E GUARARAPES

    EH NECESSARI TORNA-LA DE ZONA MIXTA…URGENTE E NAO COMO ESTÁ EXTREMAMENTE RESIDENCIAL….TEL 9 8266 7259,,,GRATO

  4. Dalcio Augusto Pedreira Junqueira Franco em disse:

    Gostaria de estar recebendo todos os informativos relativos as Audiências públicas sobre os projetos de Zoneamento da cidade de Saõ Paulo.

  5. Khaled Ghoubar - FFM.Fundação Faculdade de Medicina em disse:

    Acredito que a atualização da Lei de Zoneamento deva considerar todos os agentes do processo de construção do espaço edificado, e deve-se evitar que o confronto entre visões antagônicas que naturalmente surgem explícita ou implicitamente nas audiências públicas participativas. Sendo essa mediação de responsabilidade exclusivamente do Poder Público, os instrumentos de “conciliação” devem constar dessa Lei, para agilizar suas justas revisões pontuais, e caso isso não exista caberá aos interessado abrir uma ação na Justiça. Não se deve esquecer que ainda existem pontos cegos na Lei de Zoneamento que, por exemplo, não indica os uso permitidos em ZEPEC com acesso por corredores, e situadas dentro de ZER. Falo em nome de quem teve um processo que andou, com esse problema, por oito anos na Administração Municipal e foi arquivado de forma precipitada no final de 2012 sem lhe dar encaminhamento competente para à revisão do PDE 2002, pois o processo tinha um parecer francamente favorável do CONPRESP para autorizar o uso que o proprietário desejava, e que o zoneamento à época não permitia.

  6. Khaled Ghoubar - FFM.Fundação Faculdade de Medicina em disse:

    Falta definir os usos em ZEPEC que se encontram dentro de ZER, que não podem se limitar ao uso residencial, pois isso tem regularmente rejeição por parte do CONPRESP e CONDEPHAAT, pois fragmentaria a área e a descaracterizaria ambientalmente. Esta omissão que vem do PDE.2002 ainda se mantém inexplicavelmente, pois torna engessada as áreas como a área que a FFM.Fundação Faculdade de Medicina tem defronte do Estádio Municipal do Pacaembu, com área de 48 mil m2, 10 mil m2 de área construída, e um parque arbóreo com aproximadamente 500 espécimes.

  7. Walter Vasconcellos em disse:

    Não tenho percebido nenhuma transparencia nas audiencias que participei, tendo em vista que que o cidadão não tem voz, por falta de tempo ou falta de informação com transparencia e varacidade dos numeros apresentados em cadernos cheio de gráficos e planilhas que a grande maioria mal consegue consegue entender. Vale resaltar que o numero de pessoas que tem acompanhado as audiencias é insignificante em relação com o numero de habitantes de suas regiões (pelo menos na região do Jaçana/Tremembé) que tenho participado.Outra coisa é saber se os vereadores que decidem tudo sobre plano diretor e lei de zoneamento vão levar em conta a opnião pública na hora de aprovar.Outra coisa que que notei foi a falta de debates sobre a a limpeza urbana (especialmente sobre a reciclagem do lixo, limpeza de corregos,coleta e tratamento do esgoto) que tornam a cidade mal cheirosa e vergonhosamente suja. Da para saber o será exposto nas futuras audiencias?

  8. jose paulo da gloria em disse:

    Para que deixar proposta ou participar das reunioes?
    Fiz isso varias vezes e nao fui ouvido pela administracao ditatorial do Sr. Haddad.
    Infelizmente esses intrumentos nao servem para nada jah que o projeto esta pronto (no meu caso feito errado) e a prefeitura nao pretende muda-lo.
    As opiniaoes nao sao ouvidas e nem levadas em consideracao.
    LAMENTAVEL….!!!!!!

    • Walter Cintra em disse:

      Caro José Paulo, tenho exatamente o mesmo sentimento (100% de certeza) do que você expressou. A dita “participação” é apenas e tão somente para dizerem que “ouviram” a população, acatar é outra história! E ditam argumentos “técnicos” para justificar a entrega da cidade às construtoras e imobiliárias. A cidade já é um caos pelo crescimento desordenado e desenfreado e parece que a situação será bastante agravada com o novo projeto de ocupação do solo.

    • Renê Pacheco Menezes em disse:

      Democracia é isso, onde todos são ouvidos, onde suas sugestões são estudadas e acatadas quando viaveis, pois o atual governo eleito pela maioria do povo, governa para ele e em prol dele, antes de criticarmos, vamos fazer nossas sugestões, para que desse modo possamos contribuir para o bem de todos. Criticas são boas quando são construtivas.

  9. Roberto Ribeiro Lobo em disse:

    Nosso bairro Vila Amélia Zona Norte de São Paulo foi contra a proposta feita pela prefeitura de são paulo pois colocaram um zoneamento com não é compatível com a realidade do bairro, ZEP zoneamento que seria para áreas de parques….nosso bairro irá fazer um século de existência, com ruas oficializadas , luz,água, serviços municipais sendo prestados a décadas e mais uma os imóveis de nosso bairro possuem escrituras registradas em cartórios de registros de imóveis são 500 casas residenciais que cumprem com sua função social “bairro consolidado”….. neste não aceitaremos este zoneamento….vamos lutar até o fim , se esta administração quiser nos ouvir estaremos prontos para nos pronunciar e trazer fatos reais sobre a formação de nosso bairro,estivemos presentes nas oficinas , estaremos presentes nas audiências ,espero que esta administração escute a voz do povo e não se curve a outros interesses…..

  10. Maria Helena turazzi forte em disse:

    Gostaria de deixar aqui registrado que participei das oficinas nas regionais e lutei com todas as forças para melhorar a Zcor mas acho como o Jose Paulo falou : é tudo para dizer que a população foi ouvida mas o que eles querem eles fazem e basta … A população só serve para pagar impostos . Deixo táb meu e- Mail para quem quiser saber a minha opinião – mhtforte@gmail.com

    • solange sposito em disse:

      também vou lutar muito vou atrás dos meus direitos,não tem lógica tirar pessoas que lutaram tantopara ter suas casas e simplesmente ser jogada na rua ,para colocar outras sou contra o zoneamento meu bairro é de residências e comercio que continue zona mista como sempre foi não tem nenhuma aréa desocupada .,

  11. Fábio A. Pereira em disse:

    Muito engraçado, na “oficina” realizada na Subprefeitura Penha, disseram que aquele encontro não era uma audiência pública. Já não fosse isso, todos os participantes foram divididos em grupos onde indicariamos áreas ou erros na proposta feita pela prefeitura, porém nem todos os erros apontados foram refeitos, pois apenas 03 propostas por grupo forma aceitas, em claro cerceamento. Os maiores problemas estão nas áreas de ZEIS, pois estão indicando áreas que já estão ocupadas por loteamentos legalizados há mais de 30 anos sem que tivessem visitados estes locais. O que vai acontecer é tirar gente que ja tem casa e jogar na rua e colocar os movimentos de sem teto no lugar sem garantir casas para quem já estava nas áreas indicadas como ZEIS anteriormente.

  12. VALTER LUIZ PELUQUE em disse:

    Mesmo considerando o comentário supra, vou protestar contra a alteração de zoneamento do Jardim da Saúde proposta no PD.
    Não vi e não vejo motivo para a alteração. Pelo contrário, não me parece justificável abrir o bairro para o comércio.

    Não ser ouvido pela administração não é característica só desta gestão. A verdade é que os funcionários da prefeitura e, principalmente da sub do Ipiranga, são muito arrogantes e parecem ter desprezo pelos cidadãos.

  13. Gostaria de saber,como dividir os bairros do Distrito Raposo Tavares,no Butantã. EXEMPLO Jr Arpoador X Jd.São Jorge X Jd.João XXlll e Jd.Uirapuru, pois ninguém sabe dizer onde mora. Esta perg. cabe nesta plenária. FELIZ ANO NOVO. Obrigada

  14. Walter Nilson Porto Gini em disse:

    Propus que a Rua Marina Cintra, tivesse o mesmo Status que a Rua Groenlândia, pois a maior parte dela já é comercial. Tenho o mesmo sentimento das opiniões expressas acima, que não somos ouvidos e nem levados em consideração, pois em qualquer país civilizado no mínimo você tem uma resposta contrária ou não aos seus questionamentos. Como dizem os americanos:- é um povo e um país informal.
    Walter Porto Gini

  15. solange sposito em disse:

    boa noite é um absurdo o que estão fazendo com a gente aqui no tatuapé rua Fernandes pinheiro,serra do japi,rua Azevedo,estevao pernet, estão querendo tirar pessoas que lutaram com sacrifício para ter suas casas para colocar outras pessoas e nós aonde vamos ficar na rua ? isso é justo ? o que eu saiba só pode fazer casas populares em terrenos que não tenha moradia será que temos que levar para televisão para poder nos ajudar ? vocês não podem fazer isso, eu nasci aqui tenho mais de 49 anos de moradia minha mãe 69 anos como muitos moradores aqui,que justiça é essa tira pessoas de suas residências joga na rua e coloca outra ,e não estamos sendo ouvidos por vocês.aqui é um bairro residencial e comercial aonde tem comercio a anos que da emprego a outras pessoas.

  16. Marcos Muniuz em disse:

    Olá. Importante colocar que o processo participativo vem se realizando isso é algo positivo. Temos na cidade ruas com duas ou três categorias diferentes, ex da rua Pedreira de Freitas que fica na região do Aricanduva, creio que iremos equacionar tais pontos, a cidade só tem a ganhar.

  17. Tereza Penteado em disse:

    Tres pontos a serem estudados:
    1-Até que ponto a cidade pode crescer?Quantas pessoas ainda cabem ?
    2-Como se fazer qualquer planejamento se já não há água ?
    3-Queremos uma cidade verde ou uma cidade cinza?A arborização urbana deve ser encarada como infraestrutura urbana com maior importancia do que qualquer outra.

  18. antonio ravelli em disse:

    Já fiz um comentario, só que não acontece nada, acreditar que esse plano vai demolir casas que existe a mais de 60 anos em duas quadras na vila aricanduva, me pareçe o maior absurdo que já vi, por isso peço uma revissão deste plano diretor de zeis para o nosso bairro

  19. Maria Aparecida Nunes dos Santos em disse:

    Area da Rua Major Vitorino de Sousa Rocha, Distrito José Bonifácio – Itaquera.
    Está marcada para ZEIS II –
    Não Vamos aceitar isso, pois a área é Praça José Felix Lisboa localizada entre a Creche de Vila Santa Terezinha e
    Escola Estadual Salvador Allende

  20. Adenilde Rocha em disse:

    ÁREA da Rua Major Vitorino de Sousa Rocha – Distrito de José Bonifácio – Itaquera
    Marcada como ZEIS 2
    NÃO PODE, LÁ É UMA PRAÇA JOSÉ FELIX LISBOA.

  21. A principal meta do Plano Diretor é a geração de emprego próximo de moradias,mas implantaram ZEIS em ZPI,absurdo tirar espaço para implantação de novas industrias em SP que são geradoras de empregos,onde podemos implantar Zeis em muitos terrenos vazios na cidade de SP no entorno destas Zonas Industriais e não tirar espaços de quem gera emprego.Isto poderá conflitar futuramente e as industrias saírem de vez da nossa capital.
    Meta principal: Retirar as ZEIS implantadas em Zonas Industriais.

  22. As ZEIS foram implantadas em vários bairros nobres de São Paulo em áreas já consolidadas,onde o poder aquisitivo das pessoas é alto mas os menos favorecidos para ir a um supermercado ou comercio no entorno . ZEIS têm que ser implantadas em bairros periféricos da nossa capital,mas devem ser construídos esses prédios populares com suporte de creches,escolas e comercio com uso misto para gerar empregos próximo a moradias.Parece que os técnicos que implantaram essas ZEIS nos mapas genéricos conhecem só os mapas,mas não conhecem a região ou nunca foram no local – Absurdo.
    Meta: Não implantar ZEIS em bairros nobres para não haver conflituo social futuramente.

  23. TENHO IMOVEL, NA RUA JESUINO MACIEL 135. VOU PAGAR R$ 7.000,00 de i p t u….nao eh zona comercial….nao eeh zona mista….casa vasia, se nao mudar o zoneamento, vou derrubar a casa e tentar fazer outto negocio possivel…….Nao posso eh pagar Imposto…..pagar custo do capital e ficar com a casa fechada.Precisamos mudar urgente o zoneamento…..A casa está 100metro avenida santo amaro…..50 respiro do metrô….a casa esta sucateada……vamos mudar isso imediatamente…..Grato hgcfm
    RUA JESUINO MACIEL 135….A 100 METROS DA STO. AMARO E 50 METROS DO RESPIRO DO METRÔ…….A CASA S;O SERVE PARA COMERCIO….SERVIÇOS…..ENFIM ZONA MIXTA.

  24. Mercedes Garcia de Garcia em disse:

    Discordo veementemente em transformar o Planalto Paulista em ZPR. Isso é apenas uma denominação para enganar incautos, já que, em questão de sigla, a diferença é mínima mas na verdade quer dizer que, então poderá haver comércio ou outras atividades pois, Zona Preferencialmente ou Predominantemente residencial é isso que quer dizer.
    Discordo totalmente, sou plenamente favorável a que o nosso bairro continue ZER, ou seja, EXCLUSIVAMENTE RESIDENCIAL.
    Por favor, outros interessados, prestem atenção nas entrelinhas, uma leitura rápida ou “por cima” é o que eles querem para aprovar as coisas em favor deles ou de outrem, interesses de construtoras ou comércio, na “calada de janeiro”, mês de férias, para deturpar o nosso bairro. NÃO À ZPR!!!!!, nosso bairro tem de ficar como ZER (ZONA ESTRITAMENTE RESIDENCIAL) e a Prefeitura DEVE preservar nossas árvores e nosso verde, monitorando as árvores, fazendo manutenção, não só agindo quando a árvore já caiu. Agora estão demonizando as árvores porque houve mortes e/ou prejuízos materiais por causa das árvores que caíram, mas caíram por que?. Falta de manutenção, falta de monitoramento. Acho muito estranho. Moro em SP há 40 anos, sempre choveu, sempre houve tempestades, raios, enchentes, etc. Será que agora vão querer “asfaltar” o verde para evitar esses desastres?. A ZL alaga por quê?, porque quase não tem verde. Vão querer cimentar o Ibirapuera o Piqueri o Parque do Carmo?. Erro craso, o verde, as plantas e as árvores é que sustentam o solo, fazem a fotossíntese, refrescam o nosso ar, formam as nuvens que trarão a chuva etc. etc. Cuidem das nossas árvores, atendam prontamente quem chama por causa de uma árvore em perigo, incentivem o plantio de árvores apropriadas para calçadas, etc., etc., enfim! é uma questão de gestão, e a gente vota em alguém para gerir, TAMBÉM a questão ambiental, a arborização. É batata que em época de eleições, todos os candidatos, sem exceção, se eleitos vão se ocupar de resolver os problemas de saúde, educação e segurança pública. Mestes anos todos, salvo raras exceções, só pioramos nesses quesitos. Já passamos por todos os “P’s” de todas as siglas de partidos que ano a ano se inventam e reinventam só para nos ludibriar, iludir e no fim só querendo chegar mais perto do poder, só para se retroalimentar e ir levando.
    Gente, quando acabar vai acabar para todos, a água, a energia, o ar puro, as árvores. Tudo bem, pode ser um trabalhão varrer folhas e galhos, mas já sentiram a temperatura do asfalto ou do cimentado na frente de suas casas em dias de calor? São as plantas, as árvores e o verde em geral que diminuem esse desconforto e não o cimento.

    • Sergio Paulo em disse:

      Concordo plenamente com o fato de que o Planalto Paulista permaneça ZER na estrita significância do acrônimo, é um dos poucos lugares da capital que preserva a qualidade de vida do cidadão, o IPTU é caro e já está com a segurança bastante degradada devido também à prostituição, caso se torne ZPR o bairro estará fadado à se tornar um prostíbulo à céu aberto, degradando conjuntamente todos os bairros do entorno.
      PROSTITUIÇÃO DE RUA É CLARO SINAL DE SUBDESENVOLVIMENTO E ABANDONO DE UMA SOCIEDADE.

  25. Regina do Valle Gonçalves em disse:

    Sou moradora na Vila Aricanduva e esse plano diretor é um absurdo. Não existem espaços livres para construção, é um bairro com construção de casas residenciais totalmente ocupadas pelos próprios proprietários há muitos anos, bairro esse onde nasceram, cresceram há mais de 60 anos. Esse plano com desapropriar esses moradores e desvalorizar os nossos imóveis, que são nossas próprias moradias é muito absurdo isso.

  26. Sylvia S. Leite em disse:

    As zonas elaboradas para o Distrito do Campo Belo predominam em termos urbanos e não ambientais; deveria se ter em mente que a manutenção da capacidade do meio arbóreo de fornecer os serviços de suporte à vida através de oxigenação é extremamente necessária em um Distrito com sobrecarga de poluentes, devido ao Aeroporto de Congonhas.

  27. Hiram Durante Cordeiro em disse:

    É um absurdo o quê a prefeitura está querendo fazer na Vila Azevedo no Tatuapé. Transformar quatro quadras (entre as Ruas Visconde de Itaboraí e Serra do Japi) que estão ocupadas por 80% de estabelecimentos comerciais, a maioria estabelecida há pelo menos dez anos, em ZEIS!!!! Quem indicou esses quadras não conhece absolutamente nada do bairro ou está mal intencionado. O próprio zoneamento diz que para ser ZEIS 3 as quadras devem ter lotes vazios e/ou subutilizados, o que não ocorre. Não existe lotes subutilizados tampouco vazios!! Nós, proprietários e moradores, participamos da “oficina” realizada no dia 22 de novembro na qual formalizamos o pedido de retirada dessa ZEIS e retorno à Zona Mista como sempre foi. Ocorre que a Prefeitura não nos atendeu! Então para que serviu a oficina, se mostramos que há erro no enquadramento feito pela prefeitura? Só vale para a prefeitura as solicitações de “movimentos sociais? Que “democracia” é essa que tenta retirar pessoas que já estão estabelecidas no local para colocar outras?? Por quê essas outras tem mais direito do que as que já estão lá há muitos anos e PAGARAM, com o suor dos SEUS TRABALHOS, os seus imóveis?? Na realidade, o que parece, é que estão querendo dar um “golpe” no direito à propriedade do cidadão paulistano! ACORDA SÃO PAULO!!!!!!!!!! ACORDA BRASIL!!!!!!!!!!!!!

  28. Acho que a minuta esta otima em varios pontos, inclusive no que diz respeito ao mapa proposto para a area da nossa Subprefeitura de Santo Amaro. Nos da ASBL, que lutamos ha mais de década para mudança de zoneamento, cremos que a Zcoor 2 atende melhor a nossa demanda, pois, somos a rua paralela a Av. Vereador Jose Diniz e Adolfo Pinheiro, e possuímos vários usos que estão contemplados em Zcoor 2.
    Podíamos ter criado uma Zona de consenso,foi o que propusemos varias vezes, mas o radicalismo impediu (nao da nossa parte), nao podemos ter uma ZPR na Rua Sao Benedito. Temos que ter já que nao se propôs uma nova Zona, a Zcoor 2.
    Um ponto elogiável na minuta, ainda segundo a minha opinião, diz respeito a diferenciação de um mesmo grupo de atividade, segundo o seu porte, leia-se área construída, lotação etc. Exemplo: um pequeno restaurante é permitido em um zoneamento mais restritivo, o que não se aplica ao seu congênere de grande porte.

  29. CHARBEL KAMILOS MAALOULI em disse:

    Os cidadãos, moradores e usuários especificamente das vias, Avenida Indianópolis e Avenida Ceci, ambas amparadas pelo bairro Planalto Paulista, solicitam a vossa excelência as seguintes:
    Alteração da classificação de zoneamento de ZCLZP-II para ZONA MISTA (Av. Indianópolis)
    Alteração da classificação de zoneamento de ZER para ZONA MISTA (Av. Ceci)
    Av. Indianópolis / Av. Ceci – do Bairro Planalto Paulista
    Presenciamos diariamente cenas de atentado ao pudor por todo o bairro e principalmente na Av. Indianópolis, a qual já se tornou referência como área de prostituição.
    Assaltos às residências são frequentes, diversos moradores do bairro já se mudaram em virtude disso.
    Basta circular pela região para facilmente perceber a quantidade de casas à venda e imóveis vagos por todo o bairro. Diversos imóveis permanecem há anos disponíveis para locação e/ou venda e pouquíssimas pessoas se interessam pelos mesmos. A maioria destes imóveis é frequentemente vandalizada e invadida, por travestis que lá praticam impensáveis atividades ilícitas.
    A impressão que diversos moradores e frequentadores do bairro têm é de que a região está abandonada, largada, sem nenhuma atividade útil à população, dando lugar à criminalidade.
    Ao entardecer quando os poucos escritórios e laboratórios que existem na região encerram suas atividades, nota-se claramente que a prostituição e criminalidade tomam conta do bairro.
    A compra de remédios e outros utensílios para primeiros socorros também se tornam mais difíceis, pois não há farmácias nas proximidades do bairro devido às restrições do zoneamento.
    A segurança do bairro é cada dia mais preocupante pois a falta de estabelecimentos comerciais torna o ambiente noturno propício a práticas de prostituição uso de drogas e a prática de atividades ilícitas.
    As avenidas naturalmente perderam características estritamente residenciais. Moradores e usuários anseiam por desenvolvimento nestas vias. A flexibilização do zoneamento trará diversos benefícios a população, dentre eles destacam-se principalmente:
    – Segurança privada;
    – Estabelecimentos de suporte a Saúde (Farmácias de Manipulação, Drogarias, e etc.);
    – Estabelecimentos do ramo Alimentício (Padarias, Mercados, Armazéns e etc).
    – Estabelecimentos do ramo de conveniência (Postos de Combustível, Lojas de Conveniência, entre outros.)

    • Sergio Paulo em disse:

      A DEGRADAÇÃO DA SEGURANÇA MORAL NO PLANALTO PAULISTA É DEVIDO O PATENTE DESCASO DAS AUTORIDADES DE TODAS AS ESFERAS NACIONAIS COM O BEM ESTAR E A VALORIZAÇÃO DO IMPOSTO PAGO PELO CIDADÃO, PROSTITUIÇÃO DE RUA É SINAL COMUM DE SOCIEDADES SUBDESENVOLVIDAS.

  30. Edison Amodeo em disse:

    ZEPEC-MOSTEIRO DO CARMO, da Av jABAQUARA, 224 não constou mais uma vez sua sinalização nos mapas da nova mininuta.
    Venho insistentemente tentando saber se é apenas um lapso do desenhista ou se há alguma razão para não estar sinalizada. Em Vila Mariana constam até o momento 8 ZEPECs e o MOSTEIRO é o único que não está sinalizadp. Porque ???
    EDISON AMODEO
    Membro do CPM SUBVM

  31. Luis Roberto Natel de Almeida em disse:

    Não concordo com as mudanças propostas para a Avenida das Magólias. Trata-se de uma região extritamente residencial e qualquer alteração no “status quo” traria consequências degradantes para os moradores da região e impacto ambiental inclaculável à região o que é um contra senso à realidade atual.

  32. Adriana Contatori Maguetta em disse:

    Na Vila Aricanudva – Zona Leste, região onde moro, foram demarcados 2 quarteirões como ZEIS-5…por coincidência um deles é o que eu moro…ambos estão totalmente ocupados por casas bem conservadas, e devidamente habitadas. Porque então foi demarcado como Zeis 5, pois a definição que li é que Zeis-5 são áreas vazias ou sub-utilizadas…por favor revejam isso, é um absurdo, não tem cabimento retirar minha família e todas as demais que habitam esses dois quarteirões (a grande maioria de moradores com mais de 40 anos no bairro)…já fizemos proposta nas oficinas, já conversamos com sub-prefeito, enfim, já paramos até a Radial Leste para protestar, não vamos ficar quietos, isso tem que ser alterado. ESTÁ ERRADA ESSA DEMARCAÇÃO!!!!!

  33. LUIZ JORGE BRANDÃO DABLE em disse:

    O proprietário do imóvel da Praça Dr. João Adhemar de Almeida Prado, n.º33,que represento, e todos os demais moradores da referida praça, IMPLORAM, ROGAM pela sua mudança de zoneamento, de ZER1 para nRa (NRA) ou nR1 (NRA1),ou Zona Mista,(que possa se ocupada por laboratórios médicos, clinicas, consultórios, escritórios…de uso discreto,silencioso, adequada ocupação para a região) devido ao fato da praça ter se transformado em ponto de encontro de marginais, traficantes, drogados, prostitutas, travestis, e seus “clientes” e rufiões…Impedindo que ali se possa morar!! Os assaltos são uma rotina, os marginais invadem as casas para que fazer programas… Enfim viver alí com sua família, filhos e filhas, de modo residencial, no seu lar!! É IMPOSSÍVEL !! Não há SEGURANÇA, não há RESPEITO, não há DIGNIDADE…nada!!! O fato é que UMA VERDADEIRA ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA TOMOU CONTA DO LOCAL!!! A MUDANÇA DO ZONEAMENTO DA PRAÇA, É IMPERIOSA!! Tudo que havia de nobre e belo no local, foi horrivelmente transformado…o local hoje é repulsivo!! É um absurdo mas é uma verdade, ali, não se pode e não há quem tenha coragem de dar um passeio com uma criança!! Não há quem consiga ALUGAR OU VENDER seu imóvel!! Os moradores a bandonaram suas casas, que a cada dia vai perdendo seu valor. Resultado o local se transformou num absurdo deserto!! A mudança de zoneamento é JUSTA, IMPERIOSA!! Promovendo a melhor ocupação da região, bem como afastando de vez a presença depreciativa, nefasta dos marginais, promovendo a melhor ocupação do local, com melhor policiamento… iluminação…etc. Enfim à volta aos bons tempos DA NOSSA PRAÇA, DO NOSSO BANCO, DO NOSSO JARDIM !!

    • viviane menna barreto em disse:

      com certeza amigo, sera que não podemos entrar com ação conjunta para pedir indenização pela situação de abandono que vivemos na praça. cresci na casa numero 12 e hj ela esta abandonada sendo desvalorizada …me sinto lesada …acho que devíamos ser indenizados

  34. Lair Lourenço em disse:

    Contribuição: Retirada de ZEIS e retorno da Zona Mista para as quadras/ruas Fernandes Pinheiro, Tijuco Preto; Avenida Azevedo; Serra do Japi; Padre Estevão Pernet no Tatuapé – Vila Azevedo. Não queremos Zona Zeis em uma área economicamente ativa e com moradores antigos que residem no bairro há mais de 30 anos.
    Justificativa: Estes quarteirões não são subutilizados e não possuem lotes vazios ou encortiçados, além de estar no MEIO do Bairro, a dois quarteirões do centro do Tatuapé – Praça Silvio Romero- portanto, esta região não é adequada à implantação de ZEIS. Os moradores já solicitaram a revisão via abaixo assinado, solicitação em audiência pública e via site gestão urbana.

    A Gazeta do Tatuapé, Jornal do Bairro, publicou nas edições de 30/11/2014 – Lei do Zoneamento -Polêmica no Tatuapé – moradores pedem o retorno da classificação Zona Mista para o perímetro acima discriminado -; em 21/12/2014, pág.10 – mostra, novamente que não queremos ZEIS na Vila Azevedo; em 18/01/2015 – Chapa quente no Tatuapé – capa do jornal – e na pág. 08 – Moradores pedem a secretário retorno de ZONA MISTA para a Vila Azevedo.
    Assim, fizemos chegar ao Secretário, Fernando de Mello, ao Diretor de Uso e Ocupação do Solo Daniel Montandon e técnicos da prefeitura que queremos o retorno da Vila Azevedo para ZONA MISTA. Que o poder público ouça a voz dos munícipes que conhecem e moram no bairro e, assim podem opinar sobre o que é melhor para a Vila Azevedo.

  35. Artur Moreira dos Santos em disse:

    Participei audiência pública do dia 14-01-2015.Partcipativa, mas tumultuada na fala de alguns cidadãos mais afoitos.
    Moro no Jardim da Saúde. No plano diretor em estudo ficou de fora da (ZRS1) O TRECHO DE DOIS QUARTEIRÕS DA AV OSVALDO ARANHA,LADO PAR ,DESDE A INHAIBA, ATÉ A ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ MARIA LISBOA) ESTA AVENIDA É MUITO USADA PARA AS CAMINHADAS DA COMUNIDADE. E É PARTE IMPORTANTE DA GEOGRAFIA DO BAIRRO, É VONTADE DOS MORADORES QUE SE MANTENHA DENTRO DO LIMITES DO TOMBAMENTO.

  36. José eduardo fonseca em disse:

    Discordo da forma está sendo tratado a área (rua Rui Barbosa). Já expliquei demonstrei projetos sobre valorização da área e melhores possibilidades de revitalizar o CENTRO.
    SÓ ESPERO QUE TENHAM O BOM SENSO DE ANALISAR O PLANO APRESENTADO PARA CEMTRO , .ATT FONSECA

  37. José eduardo fonseca em disse:

    NÃO CONCORDO COM A FORMA QUE ESTÁ CENTRO TRATADO A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO ESPECÍFICAMENTE NAS CERCANIAS DA RUA RUI BARBOSA E ADJACÊNCIAS
    FALTA TOTAL DE SAIR DA PROPOSTA REVITALIZAR O CENTRO
    ATT FONSECA

  38. José eduardo fonseca em disse:

    JÁ DEIXEI PROJETO DA REGIÃO , PELO MENOS DEVERIA TER UMA RESPOSTA E OU UM PROJETO DO QUE SE PRETENDE FAZER SE SAIR DO OBJETIVO BÁSICO
    REVITALIZAÇÃO DO CENTRO

  39. A principal meta do PDE è a geracao de empregos proximo a moradias, mas estã havendo uma incoerencia na implantacao de ZEIS em ZPI Zo as Predominantemente Industriaia que sao altas geradoras de empregos diretos e indiretos, principalmente na regiao da Mooca/Vila Prudente.As ZEIS sao importantes mas precisam ser implantadas proximo as ZPIs para nao prejudicar futuros empreendimentos em nossa capital.Espero que o prefeito Haddad veja esta incoerencia com bons olhos.

  40. Tadeu Jorge do Nascimento Ulian em disse:

    Precisamos renovar nosso bairro para que ele seja valorizado, temos um local excelente com áreas verdes tais como a Serra da Cantareira, Horto Florestal, mas temos carências nas áreas de comercio, serviços,lazer,cultural,hotelaria, e principalmente de empregos.
    Nosso comercio é fraco, tomemos como exemplo a avenida Tucuruvi com lojas antigas e sem variedades.
    Precisamos mudar a lei de zoneamento principalmente em torno do Jardim França, pois a atual lei de zoneamento impede a construção de imóveis comercias(lojas,bares,restaurantes) ou residenciais(edifícios) ao seu redor (Av.Agua Fria e Nova Cantareira).
    Infelizmente esta restrição impede que nosso bairro cresça e se desenvolva gerando riqueza econômica para a região e trazendo oportunidades de empregos.
    No passado Jardim França e Tucuruvi eram conhecidos como bairros dormitórios, as pessoas moravam aqui mas tinham que trabalhar em outras regiões (zona sul, zona oeste, centro) e retornavam no final do dia para descansarem.
    Hoje a realidade é outra, nossos filhos também são obrigados a procurar empregos em outras regiões mas não pensam em morar por aqui, pois preferem morar perto do local de trabalho e dos locais que ofereçam melhores opções de comercio,lazer,cultural e etc…
    Atualmente nosso bairro esta envelhecendo, estamos ficando sozinhos, nossos imóveis estão desatualizados pois a grande maioria foi construído nas décadas de 60,70,80.
    A maioria dos imóveis necessita de reformas estruturais para obter valorização imobiliária, o que nem sempre vale a pena.
    Mas se unirmos força e exigirmos mudança no zoneamento, teremos oportunidades para conseguirmos a devida valorização como ocorre nas outras regiões de São Paulo.
    O poder para mudar esta situação esta em nossas mãos, nós somos os moradores, nós podemos exigir das autoridades o que melhor for para nosso querido bairro Tucuruvi.

  41. Renato Santana de Carvalho em disse:

    Moro há 10 anos na rua Fernandes Pinheiro e os poucos terrenos vazios foram de casas demolidas para nova construção. Onde existem muitos cortiços há mais de 30 anos está ao longo da Av Celso Garcia desde o Braz até o tatuape. Por que não foi criada zeis nesses locais ?

  42. Renato Santana de Carvalho em disse:

    Onde foi definido zeis 3 e 5 no Tatuapé habitam os moradores antigos e muitos comércios tais como dezenas de clínicas e outros comércios que empregam muitas pessoas. Questiono o motivo de tirar os proprietários de suas residências e comerciantes para construção de moradia popular? Todos pagam IPTU muito caro. O mínimo que a prefeitura deve fazer é dar satisfação e responder aos questionamentos que vem sendo feito.

    • Renato, a destinação de percentuais mínimos de área construída total para Habitação de Interesse Social só ocorrerá quando o imóvel for maior que 1000m2 (em ZEIS 1,2,4 e 5) e que 500m2 (em ZEIS 3) e houver:
      – Edificação nova
      – Reforma com mudanças de uso
      – Reforma que altere 50% ou mais da área construída existente
      OU seja, comerciantes e proprietários de imóveis em ZEIS que não se encaixem nessas condições não terão de destinar nenhuma porcentagem de área para construção de moradia popular.

  43. Eleno Mendonça em disse:

    Tomei conhecimento apenas neste fim de semana da intenção de transformar em Zeis parte do Tatuapé, próximo das ruas Serra de Japi e Azevedo. Só quem não conhece a cidade poderia tomar uma decisão dessas. Há prédios, comércios, bancos, não há terrenos baldios nem cortiços. Um absurdo querer tornar de interesse social essa região. Com tanta coisa a ser feita na cidade e com tanta área que pode abrigar zeis, como na região do Aricanduva, Como no enorme parque sub utilizado na estação carrão etc. Espero que prevaleça o bom senso.

  44. Roberto Ribeiro em disse:

    Não consigo assimilar as ações do governo e seus políticos, muito é gerado em impostos, realmente arrecadação de primeiro mundo, mas administração e serviços de terceiros ou pior, o que mais vemos é dinheiro de nós contribuintes sendo muito mal “administrado” vemos máfias,corrupcao, e fazem e desfazem do jeito que querem e ninguém faz nada, aqui na Vila Amélia após o zoneamento zep que foi aprovado pela câmara e sancionado de maneira mais esdrúxula do mundo, passando por cima de tudo e de todos o que nos resta é não reconhecer e pronto.