Metodologia

Como parte do processo dos projetos Centro Aberto em São Paulo, foram realizadas oficinas-workshops com participantes da municipalidade e convidados. Dados, informações e aprendizagens foram coletados em vários documentos públicos.

3_processo_00

No primeiro workshop, um amplo grupo com participantes de todos os departamentos municipais e convidados olharam para os espaços públicos no centro da cidade identificando os problemas e as potenciais soluções, utilizando os 12 Critérios de Qualidade – uma ferramenta de avaliação aplicada nessa metodologia.

Com o aprendizado do primeiro workshop, a SP Urbanismo investigou e apontou uma série de espaços públicos no centro da cidade a serem levados em consideração para a primeira rodada de projetos.

A metodologia de projeto para o Centro Aberto consistiu em intervenções de caráter temporário e reversível, como experiência teste. Essa forma de atuação mostra diretamente como a vida da cidade será afetada pelas mudanças e convida o usuário a participar das decisões.

O recolhimento de dados sublinhando os efeitos das mudanças foi fundamental para avaliação dos projetos. A coleta de dados tem dois níveis:

1. Antes de realizar o projeto piloto, a coleta de dados e o levantamento no local podem ajudar a identificar as mudanças necessárias e documentar por que essas mudanças devem ser feitas.

2. Após a implantação do projeto piloto, acompanhar a coleta de dados e o levantamento pode sublinhar os efeitos das mudanças, apontar para mudanças adicionais e validar o sucesso e aprendizados do projeto, além de levar a mudanças permanentes.

 

3_processo-anhangabau_00

 

A mudança no comportamento pode ser medida de forma quantitativa e qualitativa, analisada a partir dos seguintes fatores:

• Aumento de atividades

• Número de pedestres

• Menos travessia fora da faixa

• Entrevistas para entender quais os usos do local e a percepção de segurança

Levantamento realizado no Largo São Francisco

O principal objetivo de trabalho da pesquisa foi a avaliação do impacto das intervenções, adequação do mobiliário e atividades propostas de acordo com o perfil dos usuários, seus anseios e necessidades.

Buscou-se avaliar comparativamente as condições de acesso e travessia de pedestres e ciclistas, a permanência no espaço público e a opinião dos usuários.

 

3_processo-entrevistas_01

 

Os levantamentos antes e depois da implantação são uma parte importante do processo de projeto piloto, uma vez que servem como base para avaliar e medir os efeitos das mudanças aplicadas. Também pode apontar para alterações adicionais e levar a um processo, a longo prazo, de alterações permanentes na área.

O Programa Centro Aberto se estrutura em três conceitos:

 

3-0_estrategias-para-ativacao

protecao-e-priorizacao_01O principal objetivo é melhorar a acessibilidade e segurança de pedestres e ciclistas para acesso e passagem, além de assegurar boa sinalização. Em áreas movimentadas como o Centro de São Paulo é importante garantir esse espaço, com atribuições espaciais de acordo com as necessidades dos usuários.

A introdução de ciclovias promove vínculo seguro e direto entre o centro da cidade, os principais pontos de transporte público e os bairros. É um passo em direção a uma cidade mais amigável e mais humana, testando novas soluções que possam servir para outras áreas da cidade.

 

3_pca-morada-sao-joao_01


 

suporte-a-permanencia_01

Melhorar as condições de permanência em espaços públicos é fundamental para promover a vida urbana e segurança na cidade. A criação de pontos de encontro e locais para descanso e lazer, a partir de mudanças qualitativas nos espaços, promove o convívio e intercâmbio entre os usuários locais e recém-chegados, estudantes, residentes, trabalhadores de escritórios, comerciantes, entre outros. A permanência também diversifica os programas e atividades e serve aos diversos grupos presentes no entorno. Também incentiva o senso de comunidade e de pertencimento com o lugar, enriquecendo o debate sobre os processos de mudança e apropriação da cidade.

A permanência deve ser incentivada em horários estendidos, especialmente em regiões que se esvaziam à noite, como o Centro de São Paulo. A presença de pessoas no espaço público nesse período torna o local mais atraente e seguro.

 

3_processo-largo-paissandu_00


novos-usos-e_01

As ações estratégicas de ativação do espaço público se dividem em 3 tipos: comercial, cultural e de atividades físicas.

As ações comerciais – como comida de rua, floriculturas e feiras – são um incentivo ao uso do espaço público. Além de garantir presença de pessoas, possibilita o comer ao ar livre e o encontro em locais públicos, medidas para um convívio social rico e de trocas com a cidade.

As ações culturais dão oportunidade para permanência no espaço público ao longo do dia. Atividades como cinema ao ar livre, por exemplo, garantem permanência noturna e acesso gratuito à cultura. A presença de artistas de rua é também benéfica nesse sentido, pois mobiliza grupos de espectadores e incentiva a permanência e a participação na cidade.

O mesmo ocorre com as atividades físicas e esportivas. Além de incentivarem um modo de vida saudável, os esportes e brincadeiras são motivadores do encontro de pessoas e da convivência mútua entre participantes e espectadores.

 

3_processo-novos-usos_00