Centro Aberto

Experiências na escala humana

O Programa Centro Aberto é uma iniciativa municipal que busca a ampliação da oferta de espaços públicos de convivência na cidade por meio de intervenções de pequena escala e larga abrangência.

 

 

Para alcançar seu objetivo, o programa transforma estruturas pré-existentes a partir da renovação e ampliação das formas de uso. Nas experiências de projetos urbanísticos implantados ao longo dos últimos anos, observa-se que a diversificação das atividades nos espaços públicos, envolvendo um número maior de grupos de usuários, constitui instrumento fundamental para construir a apropriação pública do espaço.

Para isso, nas unidades do Programa Centro Aberto foi implantada uma infraestrutura que permite essa diversificação de atividades, com elementos tais como: decks de madeira, áreas sombreadas por ombrelones, cadeiras reclináveis portáteis, mesas e cadeiras portáteis para lanches e jogos, equipamentos de ginástica, brinquedos e jogos, infraestrutura básica para apresentações, entre outros. 

Esse processo é capaz de promover, além da melhoria na percepção de segurança, o reforço no sentido de pertencimento e identificação da população com a cidade.

 

Propósitos do programa

A operação dos Centros Abertos inclui serviços de monitoria de atividades, ​fornecimento de mobiliário ​temporário, segurança dos usuários e do patrimônio e ações complementares às funções da administração pública tradicional com o objetivo de garantir os propósitos do programa: 

 

– Permanente ativação das unidades, garantindo diariamente a diversidade de uso e estimulando o desenvolvimento de microcentralidades, assim como o aumento do número de usuários daquele espaço público;

– Disponibilizar novas estruturas para eventos, disseminando ações diversas nos espaços públicos do município, buscando a equidade territorial de programações artísticas, culturais e esportivas;

 

As primeiras unidades do projeto Centro Aberto foram implantadas em caráter de experimentação na região central da cidade e foram uma forma de testar novas soluções em escala 1:1 antes de fazer alterações permanentes.

As unidades do Largo de São Francisco e Praça Ouvidor Pacheco e Silva e do Largo do Paissandu e Avenida São João foram as primeiras unidades instaladas. Após seis meses de uso e concluída a fase de testes e análises, já haviam sido aprovadas e incorporadas pela população. Após um ano das duas primeiras unidades, mais três foram desenvolvidas no centro da cidade, sendo Largo São Bento, Rua Galvão Bueno e Largo General Osório.

A partir do resultado das análises, consolidou-se a pertinência desta forma de intervenção, que permite o diálogo público, o envolvimento da comunidade e atrai usuários e potenciais usuários para se engajar no processo de mudança da cidade com relação às suas próprias necessidades e demandas.

Nesse sentido, com o objetivo de garantir conforto, segurança e atividades também à população mais afastada do Centro, o Município expandiu os horizontes do programa ao selecionar doze novos locais para receber unidades. São eles: Praça Nossa Senhora dos Prazeres, Largo Cine Clipper, Praça Ministro Costa Manso, Praça Padre Bento, Praça Oito de Setembro, Manoel Lopes,  Miguel Rachid, Praça Maria Bechara, Praça Prof. José Azevedo Antunes, Gregório Ramalho, Praça Marechal Deodoro e Amaral Gurgel.

Baixe aqui o caderno Centro aberto – Experiências na escala humana: PDF

0_centro-aberto-experimentos-na-escala-humana_faca-o-download_01

 

Baixe também os cadernos de alguns dos projetos implantados