Como faremos tudo isso?

Parte fundamental neste processo é a instalação de um sistema de gestão do espaço e das atividades para o Vale, justamente no intuito de fomentar atividades culturais, comerciais e de lazer na região, complementadas por ações sociais de apoio a toda a população, em parceria com a Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social.

A proposta de renovação do Vale avança não somente na recuperação das estruturas do espaço público, mas também na discussão das formas de uso e do destes espaços.

A discussão que está na agenda municipal neste momento e que apresentamos aqui, é a o debate sobre as estratégias de execução da transformação da forma como lidamos com os espaços públicos em nossa cidade, de forma devolutiva a todos os participantes e a população. Temos na gestão do espaço a peça chave para o sucesso da implementação da proposta. A construção conjunta desse novo modelo criará referências e a possibilidade de transformação para outras áreas simbólicas e estruturantes das diversas regiões da cidade.

 

O VALE COMO ESPAÇO

CULTURAL   

O VALE COMO PARQUE MUNICIPAL

4_como-faremos_dir_1

Nesta opção o Vale é tratado como um equipamento cultural público e gerido por uma organização sem fins lucrativos similar às que hoje já atuam em áreas como cultura, educação, saúde. Neste modelo, o Vale também pode estar incorporado a um equipamento cultural, de educação ou tecnologia pré existente.

 

Nessa opção o Vale é tratado de forma similar aos parques municipais, com dotação de verba e gerido por um conselho tripartite com representantes da sociedade civil, dos funcionários do Vale ( no caso, os responsáveis pela manutenção) e do poder executivo, assegurando, portanto, uma maior participação popular no planejamento, gerenciamento e fiscalização das atividades.

4_como-faremos_box-1

Este é o espaço para sua contribuição quanto às formas de gestão para o Vale do Anhangabaú




Comentários

  1. Adriana Rocha Sousa em disse:

    Parabéns pelo projeto!

    Sabemos que o Viaduto do Chá é uma área de grande fluxo de pessoas, conhecido na cidade como um local com risco de morte por suicídio, gostaria de saber se o novo projeto contempla ações para mitigar as tentativas de suicídio no local. Tenho estudado a alguns anos sobre o assunto e posso contribuir no que for necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *