1. Gestão Urbana
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Empreendedores da agricultura e...
 

16/08/2019

Empreendedores da agricultura e alimentação no extremo sul da cidade recebem cursos de capacitação em gestão promovido pela Prefeitura de São Paulo

Cursos serão oferecidos mensalmente por quatro meses. As melhores propostas poderão receber R$ 35 mil para o seu desenvolvimento



A Agência São Paulo de Desenvolvimento (Ade Sampa), entidade vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (SMDET), em parceria com o Projeto Ligue os Pontos, coordenado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU), deu início na última semana aos cursos de capacitação empreendedora para pequenos empresários, agricultores, artesãos e outros interessados com projetos a serem desenvolvidos na região de Parelheiros e Capela do Socorro, ambos no extremo sul da capital paulista.

Essa é a primeira vez que a Ade Sampa aplica na região os cursos “Gestão de Pequenos Negócios” e “Fábrica de Negócios”, que estão sendo realizados na Casa de Agricultura de Parelheiros. Até o final do ano serão mais seis cursos com 30 vagas cada um, que acontecerão em setembro, outubro e novembro. As inscrições podem ser feitas neste formulário ou diretamente na Casa de Agricultura.

O curso Gestão de Pequenos Negócios é voltado para quem já possui um negócio, mas precisa de apoio para crescer, já o Fábrica de Negócios foi criado para transformar ideias em bons negócios.  “Esses cursos foram desenvolvidos especialmente para aquelas pessoas que tem uma veia empreendedora, mas precisam de uma orientação de como estruturar o seu negócio ou até mesmo como expandir sua empresa com metodologias e técnicas de rápida aplicação”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso. “Nesta edição, vamos escolher os seis melhores projetos, que receberão um curso de aceleração de seis meses e uma bolsa de R$ 35 mil para alavancar o seu negócio”, destaca.

Em novembro, depois de encerrados os oito cursos, será aberta inscrição para um concurso, na qual serão selecionados os melhores projetos com capacidade de serem fortalecidos. Nesta fase, as propostas poderão ser aprimoradas via mentorias (apoio técnico).

A participação será livre, no entanto, os projetos deverão atender aos critérios do edital: é necessário que a iniciativa seja da região (Parelheiros e Capela do Socorro) e tenha o intuito de fortalecer a cadeia da agricultura e/ou da alimentação, respeitando o meio ambiente e auxiliando o desenvolvimento e geração de renda da região.

Após essa etapa, os melhores projetos passarão para a próxima fase, a de aceleração, onde poderão receber um subsídio financeiro para o desenvolvimento dos negócios.

“A proposta do projeto Ligue os Pontos é estimular a agricultura local conectando o potencial produtivo do território rural à dinâmica econômica, criando vínculos sustentáveis e estimulando uma economia verde consistente e, principalmente, evitando que as áreas cultiváveis sejam tomadas pela urbanização e coloquem em risco a segurança hídrica e ambiental da cidade. Estimular o empreendedorismo é potencializar essas ações”, afirma o segundo o secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU) e coordenador geral do Projeto Ligue os Pontos, José Amaral Wagner Neto.

 

Projeto Ligue os Pontos

O Projeto Ligue os Pontos, desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SMDU), foi vencedor do prêmio “Mayors Challenge 2016” (Desafio dos Prefeitos), promovido pela Bloomberg Philantropies para cidades da América Latina e Caribe. O objetivo do Projeto é fortalecer a agricultura rural no sul do município de São Paulo, promovendo assim a sustentabilidade socioambiental.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Comentários

  1. Excelente iniciativa. A prefeitura poderia através da SVMA e a contrapartida de estudantes de Universidades públicas (agronomia, economia, administração…) que não pagam mensalidade, dar apoio constante aos pequenos agricultores, para manejo e empreendorismo de produtos orgânicos, que são muito estimulados como qualidade de vida para evitar a morbidade e mortalidade por Doenças crônicas, pela Secretaria da Saúde e difíceis e caros de serem encontrados pela população. Poderiam fazer parceria inclusive com Secretaria municipal da Saúde, inclusive para as refeições escolares.