1. Gestão Urbana
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Prefeitura realiza audiência pública...
 

03/06/2019

Prefeitura realiza audiência pública para debater Projeto para o Parque Minhocão

Diálogo com a sociedade civil ocorre em 11 de junho, às 18h30, na ETEC Santa Efigênia. Encontro é mais uma oportunidade para o cidadão contribuir com a proposta



A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (SMDU) e a SP-Urbanismo, realiza audiência pública para discutir o Projeto de Intervenção Urbana (PIU) Parque Minhocão. O encontro acontece em 11 de junho, a partir das 18h30, na ETEC Santa Efigênia. O endereço é Rua General Couto de Magalhães, 145, Santa Efigênia.

O encontro é mais uma oportunidade para o cidadão contribuir com a proposta, que traz em sua primeira etapa o diagnóstico preliminar da área a ser requalificada. Desde o dia 17 de maio está disponível no portal Gestão Urbana uma consulta pública online para colher contribuições da sociedade civil. Participe.

O projeto também aborda o diagnóstico preliminar apontado pelo Grupo de Trabalho Intersecretarial, criado pelo Decreto nº 58.601/2019, composto pelas secretarias de Governo, Desenvolvimento Urbano, Transportes, Verde, Obras e Subprefeituras, com o objetivo de adotar medidas prévias necessárias à implantação gradativa do Parque Minhocão.

O grupo recomendou diversas ações, com prioridade para o início imediato das discussões públicas do PIU Minhocão, implantação de obras de segurança, acessibilidade e conforto recomendadas pelo Ministério Público –  e aprofundamento dos estudos de impacto de mobilidade urbana e de proposição de medidas de mitigação do trânsito e incomodidade ambiental. Acesse o Relatório do Grupo de Trabalho Intersecretarial.

 

Processo participativo

O processo participativo do Projeto de Intervenção Urbana – PIU Minhocão está dividido em três etapas: apresentação do diagnóstico e do programa; etapas do desenvolvimento do projeto e consolidação do projeto final.  Todo o processo participativo tem previsão de ocorrer ao longo dos próximos seis meses.

A participação da sociedade civil está garantida pelo Decreto nº 56.901/2016, e será feita desde a etapa de subsídios ao desenvolvimento do projeto até sua consolidação final. As propostas serão debatidas por meio de encontros presenciais, como audiências públicas, consultas públicas online e reuniões temáticas com a população.

O PIU é um processo de consulta e pactuação entre poder público e sociedade civil que determina a realização de duas consultas públicas pelo período de até 30 dias, com objetivo de colher contribuições para o aperfeiçoamento de propostas para o Parque. O PIU Minhocão será uma ação específica, inserida dentro do PIU Setor Central, onde os debates públicos acontecem desde abril de 2018.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Comentários

  1. Francisca A M P Guerra em disse:

    Me da desespero só em pensar neste parque.infelizmente moro região…preciso urgente embora daqui, antes que isso se concretize.SOCORRO.

  2. Débora Presman em disse:

    Existe maneira de se manifestar contra de um jeito on-line?? Sou contra! Espero que encontrem outros lugares que precisam muito mais de verde do que esta região.

  3. marcos Macan em disse:

    Sou totalmente contra pois não consigo ver outra via consiga desafogar o transito como o minhocão, sendo que um jardim suspenso não será de grande valia pois a arquitetura horrível continuará

  4. DUILIO TERZI em disse:

    Acho um absurdo, eliminar a artéria que liga a zona oeste a zona leste. Além de toda a tragédia que se configura esta ação, tem-se a impressão que a prefeitura de São Paulo, está com todos os problemas da cidade resolvidos. Ruas recém asfaltadas, buracos eliminados, rede de esgoto para 100% da população, assim como água encanada, gás encanado, arvores centenárias podadas e e/ou substituidas, creches reformadas e equipadas, hospitais municipais reformados e equipados, policia municipal de prontidão para agir em todo o perímetro da cidade. Logo como não tem mais o que fazer, vão mexer em algo que atende a uma parcela infinitamente superior a parcela que por exploração imobiliária deseja modificar, sem ter noção do custo, do transtorno e da ausência de solução para a falta do elevado.

  5. Arthur Eduardo Razuk em disse:

    Penso que o minhocão deva ser demolido.A população e o comércio sob o minhocão sofre uma perda importante; a solução do Metrô linha Vermelha viabilzou o deslocamento rápido para a região que o Minhocão conflui.A questão de mobilidade regional e do entorno poderia ser feito no nível terreo, por bondes elétricos, como um metrô de superfície, para trânsito local. Os imóveis do pavimento térreo e a área de circulação de pedestres receberia insolação.

  6. Alberto MIlani Júnior em disse:

    Achei importante esta abertura da PMSP à discussão dessa intervenção mais que necessária, mas urgentíssima, no viário do “Minhocão”. A priori, sou a favor da demolição de todo o viaduto, mas, depois da leitura do texto postado, fiquei aberto a possibilidades intermediárias onde há trechos do viaduto com a multiplicação do espaço (entre a Roosevelt e o largo do Arouche, largo Santa Cecília) e o restante totalmente demolido.

  7. Alexandre de Campos em disse:

    Moro no entorno do Elevado e considero interessante a ideia de transformá-lo em parque, pois falta um espaço no centro da cidade para caminhada, corrida, esportes, convivência, atividades culturais, como o que ocorre aos finais de semana no local. Também é fundamental mais verde e arborização nessa região. Contudo, me preocupa o impacto do trânsito nos arredores. Aonde estão os estudos sobre esse impacto, não foi feito um teste de fechar o Minhocão por uma semana para ver o que causaria. Não vejo ações para requalificar a parte de baixo do elevado que é horrorosa e mal cuidada, com pontos de ônibus, ciclovia e pessoas em situação de rua que lá se abrigam. É preciso pensar em tudo isso. Também é preciso que os governantes encarem o desafio de desestimular o transporte individual na região central, como fazem cidades grandes como Londres e Paris. São poucos os que querem mudar esse paradigma de São Paulo, como cidade pensada para os carros em detrimento de outras formas de transportes.