1. Gestão Urbana
  2. »
  3. Notícias
  4. »
  5. Produtores orgânicos de Parelheiros...
 

30/05/2019

Produtores orgânicos de Parelheiros recebem visita de estudantes da UNESP

Objetivo do encontro foi conhecer produções agrícolas que não utilizam agrotóxicos. Agricultores dizem se sentir reconhecidos



Foto: Karlla Barbosa

Na última semana, alunos e professores do curso de Ecologia da Universidade Estadual (UNESP) visitaram o distrito de Parelheiros, situado no extremo sul rural da cidade de São Paulo. O objetivo foi conhecer a produção orgânica praticada no local.

Ao todo, 27 alunos e quatro professores da faculdade estadual estiveram presentes no território. Entre eles, Julia Camara Assis, que ministra a disciplina de Agroecossistemas. Juliana comentou que as atividades ocorreram em dois dias. No primeiro dia, ela e os demais puderam entender como funciona o fornecimento de alimentos para a alimentação escolar da rede municipal de ensino.

No dia seguinte, eles foram convidados a visitar as propriedades de dois produtores orgânicos, atendidos pelo Projeto Ligue os Pontos: Emerson e Valéria. A professora Julia comentou sobre o “choque de linguagens”, visto que os alunos, tão acostumados às teorias presentes nos livros didáticos, puderam compreender de fato a atuação do agricultor:

“O encontro foi bastante enriquecedor para os alunos, pois poucos conheciam de fato a realidade de um agricultor. Quando o produtor diz que tem que acordar às 3:30h da manhã dia sim, dia não, para regar a plantação, os alunos levam um choque de realidade e passam a entender melhor as condições de trabalho no campo”.

Integrante de uma família tradicional de produtores rurais, Emerson Xavier de Souza produz diversos orgânicos, como milho, abóbora, limão-cravo, maxixe, alface, repolho e couve. Em uma roda de conversa, o agricultor e sua família tiraram dúvidas dos alunos e explicaram como é feito o cultivo orgânico. Emerson ressaltou a necessidade de se cuidar da terra para conseguir o melhor alimento possível.

“Eles ficaram muitos impactados com a nossa produção orgânica. Conheceram as verduras e legumes, além das nascentes da minha propriedade que são muito limpas. É importante esse conhecimento de terra para eles”, afirmou Emerson.

A experiência também foi uma oportunidade de valorizar o produtor rural. Emerson acredita que os alunos adquiriram uma nova consciência sobre a alimentação saudável e que podem utilizar o conhecimento em suas carreiras profissionais.

“Ver que as pessoas estão reconhecendo o nosso trabalho aqui no extremo sul da cidade é gratificante. Nos dá força para levantar e trabalhar com alegria todos os dias”, comemorou Emerson.

Na fazenda de Valeria Maria Macoratti, além de conhecerem a sua produção, os alunos tiveram a oportunidade de almoçar no local e experimentar produtos pouco convencionais, como o suco de cambuci. “Vimos a produção chegar até o prato”, resume a professora Julia.

Após trabalhar por 12 anos na área de comércio, Valéria resolveu investir na agricultura orgânica. Em sua pequena produção – onde somente ela trabalha – a produtora cultiva, por exemplo, salsinha e cebolinha. Valéria disse que a experiência com os alunos foi “muito interessante, pois eles puderam conhecer a região e o trabalho do agricultor”. Ela também valorizou a importância do turismo de base comunitária como complemento de renda.

 

Ligue os Pontos

O projeto Ligue os Pontos foi o vencedor do concurso “Mayors Challenge 2016” (Desafio dos Prefeitos), promovido pela Bloomberg Philantropies para a América Latina e Caribe. Tem como principal objetivo conectar os produtores de alimentos da agricultura familiar na Zona Sul de São Paulo aos potenciais consumidores, evitando que essas áreas cultiváveis sejam tomadas pela urbanização informal e coloquem em risco o meio ambiente e a segurança hídrica da cidade.

Coordenado pela SMDU, o projeto é estruturado por meio da contribuição e apoio das secretarias municipais das Subprefeituras, Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Verde e Meio Ambiente, Saúde, Cultura, Educação, Governo Municipal, Inovação e Tecnologia e Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), e também do diálogo constante com outros agentes atuantes na Zona Rural.

 




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *